segunda-feira, 18 de novembro de 2013

ArquiPensamentos: “Starpath” Pedalando sobre as estrelas...


“Starpath”: uma ciclovia que ilumina um parque através de energia


À primeira vista, “Starpath” parece ser uma intervenção urbana montada no parque Christ’s Pieces em Cambridge, Inglaterra. No entanto, trata-se da primeira ciclovia no mundo que beneficia, através dos materiais com os quais foi feita, não apenas ciclistas, mas pedestres, o meio ambiente e o município onde está instalada. 

O principal elemento que compõe a “Starpath” é um líquido aplicado em sua superfície que, durante o dia, absorve os raios UV e, à noite, emite luz. Um dos criadores desta ideia, Hamish Scott, do escritório Pro-Teq, explica que esta ciclovia funciona como se tivesse “uma mente própria”, pois muda a intensidade da luz dependendo dos níveis de luz natural disponíveis no entorno. Assim, o brilho mais intenso é emitido durante a noite, quando há menos luz natural.


A ciclovia que foi construída em Cambridge cobre 150 m² do parque e funcionou como planejado, ajudando a diminuir os acidentes com ciclistas que, graças ao caminho iluminado, fazem um trajeto mais seguro.
Os benefícios ao meio ambiente estão ligados à redução da contaminação lumínica produzida pelos numerosos pontos de iluminação pública, já que a intensidade gerada pela ciclovia é muito menor, interferindo menos nos ciclos de vida de animais e plantas noturnas.

As cidades onde forem construídas estas ciclovias não apenas trarão a seus parques um elemento distinto, mas também diminuirão seus gastos de energia, já que, depois de concluída a implantação da ciclovia, nenhum gasto extra é necessário. Além disso, as ciclovias que já existem nas cidades podem ser convertidas em “Starpaths”, pois o líquido adere ao concreto ou à madeira em apenas quatro horas.


Como esta nova ciclovia foi construída em um parque, os pedestres que por ele passam também foram beneficiados, já que à noite a luz emitida pela ciclovia aumenta a sensação de segurança.

Apesar deste tipo de ciclovia estar ainda em fase de testes, a Pro-Teq diz que alguns governos de países desenvolvidos já entraram em contato, mostrando interesse por esta fonte de iluminação limpa combinada a um meio de transporte seguro e sustentável.

No vídeo a seguir pode-se ver o processo de construção de uma destas ciclovias.



Fonte: Constanza Martínez Gaete, via Plataforma Urbana. Tradução Romullo Baratto, ArchDaily Brasil.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ArquiPensamentos: Brooklyn transforma canal em "Parque Esponja"


No Dia Mundial do Urbanismo, um exemplo de intervenção no meio urbano já consolidado, na busca pela sustentabilidade e pela melhoria da qualidade de vida da população.


© dlandstudio


Um dos cursos d´água mais poluídos dos Estados Unidos está prestes a receber uma transformação mais do que necessária: no início de 2014 será construído um bolsão verde de prevenção contra poluição que se estenderá pelo Canal Gowanus no Brooklyn, Nova Iorque. A proposta, apelidada de Parque Esponja, foi concebida há mais de cinco anos por Susannah Drake do dlandstudio, mas somente agora angariou fundos suficientes para avançar.

© dlandstudio


© dlandstudio


A primeira fase da proposta de US$ 1,5 milhões, com conclusão prevista para o verão de 2015, começará perto da Second Street. Um parque multi-uso margeando o canal poluído será ancorado por células de concreto preenchidas por terra que reterão e filtrarão as águas pluviais. Tais células serão recobertas com plantas capazes de absorver o excesso de água e, naturalmente, absorver ou quebrar toxinas, metais pesados ​​e poluentes do esgoto.

Referência: Curbed NY, The Daily News

© dlandstudio

© dlandstudio


© dlandstudio

© dlandstudio




terça-feira, 5 de novembro de 2013

ArquIdeias: Projeto Residencial Unifamiliar |07| Reforma e Ampliação

Projeto de Arquitetura para reforma e ampliação de residência unifamiliar.
A área de ampliação - que chega a 85m² - prevê duas suítes com closets independentes e uma nova sala de estar, que se abrirá para a área de piscina com deck de madeira, que também faz parte deste projeto. O deck foi projetado para aproveitar a declividade natural do terreno que é acentuada, implantando a piscina sem haver muita movimentação de terra.
A residência situa-se no Laranjal, praia situada na cidade de Pelotas, a poucos metros da faixa arenosa, porém em uma área alta, com muitas árvores.
[Laranjal | Pelotas | RS]